Paris, Paris - Parte 3 e final.

By Adriane Jungues - agosto 11, 2012

Aline, obrigada! Eu tenho uma Canon Rebel XSi e uso lentes18-55mm e 50mm para quase todas as fotos, tanto as da Alice, como as das viagens...
Panorama da Torre de Montparnasse

      Ufa, até que enfim acabando o relato de Paris. É que vejam bem, foram muitas e muitas fotos nessa cidade inesquecível. Muitas delas eu queria mostrar aqui e relatar o acontecido e tal, mas simplesmente não dá, né. Então eu agrupei as fotos e ainda deu 3 posts. Finalmente, os últimos 2 dias foram intensos quase como os primeiros dias. Selecionamos os pontos que queríamos ir e não tínhamos conseguido conhecer ainda e lá fomos nós...

Mapa do metro e trens de Paris - parece complicado, mas não é não. 
Moulin Rouge e subindo rumo a Sacre-Coeur




Sacre-coeur - dentro e fora

A basílica estava movimentada, mas achei tranquilo. Depois do povão no Louvre, todos os lugares pra mim pareciam vazios... ou quase...

Vista do alto do morro da Sacre-coeur

Visita ao Pantheon

Achei bem mais legal que eu imaginava. Está no top 3 de lugares em Paris, na minha opinião. Nos impressionou a magnitude e beleza.
Relógio no Pantheon
Mais do Pantheon...
Passeio nos jardins de Luxemburgo. Super agradável. Pudemos ver muito dos locais estirados aos sol ou só aproveitando o dia lindo.
Próxima parada - Torre de MontParnasse. Quase que não fomos nessa, já que não era muito citada nos sites de turismo e tal. Mas, anota aí, vale muito a pena e estava quase vazia, sinal que muita gente nem põe no etinerário mesmo...


No último dia, antes de pegarmos o trem pra Amsterdam, fomos ao Museu Rodin, o famoso escultor. Muito interessante. Esse era outro ponto turístico que escolhemos meio que por acaso e valeu muito a pena.
Jardins e esculturas do Museu Rodin
Último dos passeios foi o Museu das Armas e Inválidos
Tumba de Napoleão e outro detalhe dos Inválidos e na foto maior, a estação Gare du Nord, de onde saída nosso trem pra Amsterdam
Considerações de Paris:
  • Pense bem se o trem do aeroporto pro centro de Paris vale a pena, pra quem tem filhos especialmente. Se estiver muito cheio, espere o próximo e tente entrar nos primeiros ou últimos vagões. Ou procure uma outra opção diferente, ônibus ou taxi...
  • Acessibilidade não é o forte da capital francesa. Carrinho de baby nem sempre entra nos minúsculos restaurantes e quartos de hotel. As intermináveis escadarias no metrô e os enormes degraus pra entrar nos trens não eram nada amigáveis. Sorte que estávamos em dois. Vale levar um carrinho que seja meio portátil, fácil de dobrar e leve pra carregar como a gente fez. E vá pra academia uns meses antes da viagem e trabalhe bem os bíceps, você vai precisar... 
  • Compramos o Museum Pass durante nossos dias em Paris. É uma opção fácil e acho que deu pra economizar um pouco nas entradas. Só pra lembrar, esse passe não inclui a entrada na Torre Eiffel e alguns outros pontos turísticos.
  • Nem tudo é caríssimo como eu achava que seria, pelo menos não comparado aos valores do Canadá. Fast food é quase o mesmo, mas claro, imagino que alguns restaurantes sejam beeeem inflacionados.
  • Não conseguimos subir na torre Eiffel, pois só tinha um elevador funcionando. A fila era interminável quando chegamos lá, no final da tarde.Nos disseram, dias depois, que mais tarde, depois que anoitece, a fila é menor. Como temos baby pequeno, não pudemos esperar por lá até as 10 ou 11 da noite, pois ela já  estava cansada no fim do dia. Fica pra próxima.
  • 4 dias e meio não são suficientes pra ver tudo obviamente, mas conseguimos ver muitas coisas porque nosso ritmo é sempre acelerado. Sem pausa pra compras ou refeições prolongadas. Na próxima queremos deixar mais tempo pra curtir a cidade, caminhar sem pressa e parar onde der vontade...
  • Em algums momentos me senti no Brasil, não sei o que era... o comércio de rua em algumas cidades, a bagunça do trânsito (especialmente os taxistas aloprados...) ou o povo mais conversador.
  • Parece que a nova moda é os homens usarem bolsa. Sabem aquelas bolsinhas pequenas retangulares de se usar atravessado ao corpo? Pois essas mesmo eram vistas em diveeeersos homens, na faixa etária de 15 a 40 anos, mais ou menos... Com essa onda de celulares grandes, tablets e computadores pequenos, até que é uma boa... Será que essa moda pega?
  • Nosso francês foi quase suficiente. Problema é que eles escutavam nosso sotaque e logo mudavam pra inglês... Não tivemos problema em falar inglês em nenhum lugar, todo mundo foi bem receptivo. O francês de lá, well, j'aime vraiment!

Next stop, Amsterdam... aguardem...

  • Share:

You Might Also Like

2 comments

  1. Obrigada pela resposta!
    Tenho muita vontade de aprender a mexer bem com fotografia assim.
    Esses posts tem me deixado com mais vontade ainda de visitar Paris.
    Lindos os lugares!

    Aline

    ResponderExcluir
  2. Olá Adriane! Adorei os seus posts sobre Paris e compartilhei na fanpage do meu blog Paris des Petits ok? https://www.facebook.com/ParisDesPetits

    Beijos,
    Adélia

    ResponderExcluir