Privacidade, onde você foi?

Eis que o casal, um dia sem lenço e sem documento, vira imigrante, vira pai de cachorro e pai de criança. E apesar de tantas adições, subtraímos uma das coisas que eu considero uma das mais evidentes no dia-a-dia, a privacidade. Digo, na privacidade assim, de você estar com você mesmo e seus pensamentos e da privacidade nas suas coisas.
Well, quando recém nascidos, tem que você  precisa conhecer o seu baby, ele é ainda muito dependente e seu tempo vai 150% pra ele. Aí ele cresce e a atenção demandada continua, senão ainda aumenta.  Agora seu baby interaje e te responde (nem sempre da melhor maneira, mas Ok).
Talvez por Alice ainda estar comigo em casa ou por ser o jeito dela, ela ainda demanda bastante da minha atenção em tudo, brincadeiras, refeições, sonecas e tudo mais. E obviamente, fazemos tudo sempre juntas e eu morro de rir com essa fase tagarela e comunicativa dela, que eu presencio todo dia.
Há um bom tempo que não tenho mais privacidade pra ir ao banheiro, por exemplo. Ultimamente, na nossa fase de potty training, temos explicado pra ela o que as pessoas fazem  no potty (vaso sanitário ou penico) e ela já entendeu a idéia toda. Agora na minha vez de usar o potty, Alice fica em volta (e os dogs também... platéia!!), escuta, comemora, me alcança o papel, me diz o que fazer com ele e por fim, ajuda a levantar minhas calças. She thinks she's potty training me!
Nossa cama é outra que vira e mexe está sendo usada a três, especialmente depois de uma viagem onde ela só dormiu conosco. Durante o tempo de ela se reacostumar ao quarto dela, ficamos nós, os adultos, quase caindo da cama, enquando dona espaçosa dorme esticada no meio.
O bom de dividir tudo com Alice é que ela aprende logo como as coisas funcionam, quais são as boas e certas maneiras (ela observa tudo que a gente faz e repete muitas das coisas que falamos) e que ela realmente participa de tudo que acontece com a nossa família.
Tá tomando algo, ela quer beber.
Tá comendo alguma porcaria, ela quer provar.
Qualquer coisa nova, ela quer testar.
Dá ou não dá o refrão de uma música?! hehehehe


Apesar das horas difíceis, amamos nosso eterno cargo de pai e mãe. Cada sorriso compensa... :)


Beijos