Os contras de imigrar para o Canadá


Assim como eu falei anteriormente sobre os prós de imigrar pro Canadá, não poderia deixar de citar os contras, pois sim, eles existem e não são assim tão poucos. Pra alguns os itens abaixo podem não incomodar tanto, quanto que pra outros, podem ser pontos decisivos de vir ou não vir.
Acredito que a maioria das coisas mais desafiadoras e "menos boas" de vir morar pra essas bandas acabam pesando mais depois que a pessoa chega e vê, de fato, que o bixo pega em qualquer lugar do mundo. O melhor mesmo é tentar imaginar estes pontos num futuro dia-a-dia e a longo prazo e avaliar se isso é superável ou não.


Inverno


Na grande maioria do Canadá faz frio, muito frio. Além do frio tem a neve, e muitas vezes muita neve. Eu gosto de neve e frio, porém acho que é prolongado demais. Pra quem não vive essa realizade, neve e frio parece glamuroso, mas na real, restringe um monte de coisas e dá um trabalho danado.


Distância

Acho que esse o ponto mais lembrado quando se pensa em sair do seu país, ficar longe da família e amigos. Inevitavelmente, você vai perder grandes acontecimentos familiares e sociais e pode vir a perder grandes amizades por conta da distância. Seus filhos não vão conviver fisicamente com avós e tios tanto quanto gostariam, por exemplo, a não ser nos encontros internéticos e as visitas quando der.
Também tem a questão de apoio que família e amigos podem dar. Imigrante tem que refazer o círculo de amizades (e nem sempre isso é fácil) e aprender a depender apenas de si mesmo (pelo menos no início). Não é fácil.

Idioma

Se você não chega com um bom nível de inglês ou francês, assim falado e ouvido, tudo fica mais difícil. Entrevistas de emprego, obter informações e fazer amigos (claro, que não sejam do mesmo país que você). Muita gente se sente isolado, com medo de errar e demora muito mais para se adaptar.

Recomeço

Você vai imigrar? Chances são que você terá que se desfazer de tudo ou quase tudo que tem para vir. Não é muito viável financeiramente trazer muita coisa. Você começa do zero. Montar uma casa começando com um colchão, um conjunto de panelas e meia dúzia de copos. Tudo sai do seu bolso e talvez você nem emprego tenha ainda.
Falando em emprego, a imensa maioria dos recém chegados, ou vai trabalhar em algo temporário só pra começar e se manter ou vai trabalhar na sua área, mas em cargos muiiiito inferiores aos que tinha antes de virar imigrante. Aconteceu conosco e é um retrocesso em termos de carreira. com certeza.

Custo de vida


Pra um recém imigrante, o começo pesa no orçamento. Aluguéis adiantados, montar uma casa etc, tudo vai sendo debitado das suas economias. Muitas cidades canadenses tem um custo de vida elevado, se comparado com muitas cidades dos Estados Unidos, por exemplo.
Os serviços também tem um valor consideravelmente mais alto por aqui. Chamar um eletricista ou um encanador por exemplo, pode doer no bolso, mesmo que para algo simples. O pacote manicure e pedicure, pra ter uma idéia também, custa, por baixo, uns CAD$40.
Não é à toa que tanta gente é adepto ao DIY ou "faça você mesmo" por aqui.


Escuridão


Essa é a minha principal reclamação daqui. No inverno, os dias são curtos e muitas vezes encobertos. Durante boa parte da estação, você vai pro trabalho ainda de noite e na volta já é noite preta de novo, pegar um solzinho vira um mito. Sem falar que durante o final de semana pode estar muuuuito frio pra sair e fazer algo na rua. Dizem que ficar enclausurado e na escuridão é fator decisivo em muitos casos de depressão por essas bandas.




Impostos

A entrega oficial do imposto de renda por aqui é final de Abril e apesar de ser debitado na fonte, muitas vezes dá até uma dor de ver o quanto sobra no final de cada paycheck. Dependendo do seu salário anual, você deixará para o governo de 15 a 29% do seu santo dinheirinho.

Pouco tempo de férias e sem 13º

Por aqui o normal é ter apenas 2 semanas de férias ou 10 dias úteis. Algumas empresas passam para 3 semanas, depois de algum tempo na empresa. Ah, e não tem 13º salário, os pagamentos são feitos geralmente a cada duas semanas e era isso.



Atendimento de saúde


Por ser um sistema público e gratuito, atendimentos de rotina são feitos por disponibilidade da clínica e ordem de chegada. Não dá pra chegar e pagar pra ser atendido antes que as outras pessoas que já chegaram e estão esperando. E consultas com especialistas sempre precisam de indicação do médico de família ou geral, não dá pra ir e marcar direto. Uma vez, Diego esperou 6 meses pra uma visita a um dermatologista. Yikes!

No hospital, quase a mesma coisa, a menos que eles julguem o seu quadro muito sério, você vai ficar esperando como qualquer outro cidadão que tenha o infortúnio de estar doente naquele dia. E vou dizer, os hospitais aqui tem fama de ter looongas horas de espera na emergência.
Nós mesmo já ficamos mais de 7 horas no hospital para ser atendidos numa vez que Alice ficou doente. Dá um certo desespero, porque como pais, queremos que nossos pequenos não sofram nada e aqui tem que ter paciência.