Filhos bilíngues

Só love...

Enquanto no Brasil, lá nos meus anos de adolescência, eu já imaginava que um dia teria filhos. O que eu não imaginava, naquela época, era que teria que lidar com o fato de estar morando num país onde sãos duas as línguas oficiais e nenhuma delas é o português.

Quando nossa família começou a aumentar e como elas nasceram aqui, não tínhamos dúvida que o português continuaria como língua oficial da nossa casa, afinal, todos nossos familiares estão no Brasil, temos amigos aqui que que e não tem dúvida de que queremos que elas possam se comunicar com eles de forma eficiente.

O que a gente não sabia, era que é mais difícil que parece. Apesar das crianças serem grandes esponjinhas nessa idade, manter o português 100% do tempo é difícil por vários fatores. Primeiro por que há pessoas falando inglês na rua, na TV, no rádio, na creche, na escola, em tempo integral.  Fora nossos encontros com amigos brasileiros e claro, em casa, elas não ouvem o português em mais nenhum lugar.
Segundo, por consequência dos nossos empregos, entre eu e o Diego, acabamos falando certas expressões em inglês por fazerem mais sentido no contexto geral da conversa e elas nos ouvem e por vezes seguem falando inglês também.
Terceiro, por questões de frequentar creche, escola e ter amiguinhos canadenses, elas precisavam se familiarizar com o inglês também, logo de início, para se comunicar eficientemente.

Elas brincam e brigam - mas se divertem no meio de tudo

Duas figurinhas - no seu habitat natural

Eu acho quem nunca demos opção pra elas de não falarem o português. Priorizamos o nossa língua materna nas conversas. É extremamente importante ter esse contato e aprendizado logo agora, no começo. Óbvio, tem vezes que temos que repetir nas duas línguas ou passar de uma para a outra, para nos entendermos. Achamos importante perguntar e responder em português, mesmo que elas estejam falando em inglês conosco. Lembramos e ensinamos elas as palavras, durante conversas, todo santo dia, inclusive, expressões e modos de falar que temos aí no Brasil.

Hoje, podemos dizer que elas são eficientemente bilíngues (português e inglês), mesmo a Diana com apenas seus 2 anos e meio (e ela fala pelos cotovelos!). Alice entende 99% das coisas em português, mas se você conversar com ela ou ouvir ela falando em português, vai ver que ela mistura algumas palavras em inglês no meio da conversa e claro, nem toda palavra sai no tempo verbal certo ou pronúncia correta. Acho que ela fala uns 80% em português em casa e há quem diga que ela tem sotaque (de inglês no português, mas nós aqui quase não conseguimos notar...hehe).

Alice também está adicionando o francês para sua lista de línguas. Na pré-escola ela já teve contato, que será intensificado na primeira série, que ela começa agora em setembro. Veremos como isso se desenrolará.
O fato é que tanto ela quanto Diana serão alfabetizadas em inglês e apesar delas terem livrinhos em português, elas não saberão, de cara, ler e escrever nessa língua. Esse talvez será um dos nossos desafios no futuro, com certeza, além de ajudar elas com os deveres de casa em francês hehehe.

Beijos e até!


4 comentários:

  1. Realmente vejo pelo seu depoimento que não é fácil! Eu achava que era. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Minha filha tem 5 anos e era uma das minhas preocupacoes o fato de manter o Portugues. Ela foi pra crèche inglesa com 1 ano e com 2.2 a mudamos para francesa.
    Hoje esta' no SK numa escolar 100% francesa. Para minha surpresa, ela fala o Portugues perfeitamente, assim como Ingles e Frances. Esta' tendo aulas de Espanhol e gostando bastante... ja' entende bem, mas se enrola pra falar, o q e' absolutamente normal.
    Quando fala Portugues notamos um sotaque, mas muito sutil. Ja' em Ingles e Frances parece nao ter nenhuma interferencia de uma lingua ou outra. E' fascinante.
    Eu sugiro q os pais nao abram mao do Portugues (ou lingua mae) em casa em nenhuma situacao. Filmes e desenhos ajudam tbem, assim como o contato com avos, primos, tios, etc.

    ResponderExcluir
  3. Aqui em casa estamos tentando fazer o inverso. Moramos no Brasil, mas eles vão para uma escola bilingue onde só se fala em ingles ( com exceção da aula de portugues!hehe). Não falamos ingles com eles em casa ( mas tem muita gente que frequenta a escola e fala ingles também em casa), mas mesmo assim, todo santo dia, tem palavras em ingles que aparecem no meio da conversa em portugues! hehe
    A Alfabetifazação da Olívia no primeiro ano ( ela está no 2) foi feita em ingles e foi relativamente fácil. Agora não se usa mais a alfabetizacão silábica ( da minha época! hehe) em português, e isso ajudou muito porque a alfabetização em ingles é fonética né? Assim o método era o mesmo para as duas linguas. Ela sempre teve muito mais facilidade no ingles e durante o primeiro ano ela fez 3 meses de "reforço" em português porque ela dava preferencia ao ingles e não tinha interesse em ler em portugues! hehe Hoje ela escreve e lê nas duas linguas e tem mais facilidade no portugues ( vai entender... ) mas a pronúncia dela em inglês é perfeita e ela inclusive vive me corrigindo ( e eu falo bem! hehe).
    Esse ano o Vinicius está no que eles chamam aqui de pre-k, que deve ser o kinder 1 aí, e ano que vem vai pro Kinder!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Camila, que reviravoltas! hehe... O melhor de tudo é que Olívia, obviamente, tem aptidão para línguas e já vai ter facilidade para todas que ela quiser aprender.
      Aqui em Ottawa, são 2 anos de kindergarten, o junior e o senior (4 e 5 anos), depois vai para a primeira série/ano.
      Beijosss
      Adri

      Excluir